O que a criança deve saber antes de aprender a aritmética?

O que a criança deve saber antes de aprender a aritmética?

O que a criança deve saber antes de aprender a aritmética?

Glenny Gurgel

 

Ao chegarem no 1º ano do ensino fundamental as crianças serão expostas ao ensino formal da aritmética básica, especialmente aos fatos aritméticos básicos de adição e subtração. Mas será que todas elas estão preparadas para receber tais estímulos?

  Independente do referencial, PISA ou  Prova Brasil, a constatação do desempenho ruim de nossos estudantes em matemática demonstra um problema estrutural  de origem certamente multifatorial. Uma delas acreditamos que seja uma falha na preparação da criança para o seu ingresso no ensino fundamental.

   Muitas vezes, o fato da criança reconhecer os números naturais e dominar os princípios da contagem é considerado como suficiente para que a criança seja apresentada à artimética básica. Não deveria.

   Talvez a competência  pré-aritmética mais importante seja a noção quantitativa dos números. Significar os números e abstrair suas quantidades é o alicerce mais imediato para a edificação dos conceitos aritméticos. Sem que se saiba manipular os números na reta numérica imaginária ou que se entenda suas relações de parte-todo, dificilmente a criança será proficiente no domínio dos fatos aritméticos básicos .

   O ensino formal dessa competência deve ser tão prioritário na educação infantil quanto a estimulação dos princípios da contagem e do reconhecimento dos números, além de que deveria prolongar-se pelo menos pelos dois primeiros anos do ensino fundamental.

   Entender os números e suas quantidades deve ser, ao nosso ver, um exercício intensivo do educador, para que o educando veja a matemática como uma linguagem que explica a natureza e o homem, assim como os fenômenos decorrentes da interação entre estes. Ou, como diria Galileo Galilei, ver a matemática como o alfabeto que Deus escreveu o universo.

 

Saiba mais sobre o Sinapse Curso “Aprendizagem Normal da Matemática e Discalculia”